Tuesday, March 14, 2017

605 – Leonard Cohen – So long, Marianne (1967)

Escrita por Leonard Cohen, foi lançada no disco de estréia de Leonard Cohen em 1967. Pitchfork Media colocou-a como número 190 das 200 maiores canções dos anos 60.

Foi inspirada em Marianne Jensen, que Cohen conheceu na ilha grega de Hydra, em 1960. Cohen disse que ela foi a mulher mais bonita que ele já encontrou na vida. Ela havia sido deixada pelo marido, o escritor noruegues Alex Jensen. Ele deixou-a juntamente com o filho deles de seis meses. Eles começaram a namorar e Cohen levou-a pra casa dela, em Oslo, na Noruega. Depois ele a convidou pra morar com ele em Montreal, e ela foi pro Canadá com o filho pequeno.

Eles viveram juntos por muito tempo, viajando entre Montreal, Nova York e Hydra. Ele dedicou seu terceiro livro de poesia Flowers for Hitler pra ela. Ela também inspirou-o em muitas canções e poemas. Ela aparece na foto de trás do seu segundo disco Songs from a room.

Marianne morreu em Oslo em 28 de julho de 2016, com a idade de 81 anos. Leonard Cohen escreveu pra ela pouco antes da morte dela dizendo: “Saiba que eu estou bem atrás de você, tão perto que se você esticar sua mão eu acho que você pode alcançar a minha. Até logo velha amiga, aor sem fim, eu vejo você logo ali...”. Leonard Cohen morreu três meses depois, em 7 de novembro de 2016.

Foi regravada por John Cale com Suzanne Vega, Brian Hyland, Adam Cohen, entre outros.

A letra:

Come over to the window, my little darling,
I'd like to try to read your palm.
I used to think I was some kind of Gypsy boy
before I let you take me home.
Now so long, Marianne, it's time that we began
to laugh and cry and cry and laugh about it all again.

Well you know that I love to live with you,
but you make me forget so very much.
I forget to pray for the angels
and then the angels forget to pray for us.

Now so long, Marianne, it's time that we began ...

We met when we were almost young
deep in the green lilac park.
You held on to me like I was a crucifix,
as we went kneeling through the dark.

Oh so long, Marianne, it's time that we began ...

Your letters they all say that you're beside me now.
Then why do I feel alone?
I'm standing on a ledge and your fine spider web
is fastening my ankle to a stone.

Now so long, Marianne, it's time that we began ...

For now I need your hidden love.
I'm cold as a new razor blade.
You left when I told you I was curious,
I never said that I was brave.

Oh so long, Marianne, it's time that we began ...

Oh, you are really such a pretty one.
I see you've gone and changed your name again.
And just when I climbed this whole mountainside,
to wash my eyelids in the rain!

Oh so long, Marianne, it's time that we began ...

Leonard Cohen ao vivo em 1979:


A versão de Leonard Cohen muitos anos depois:


A versão de Adam Cohen, filho de Leonard:

No comments:

Post a Comment